ASAP na Mídia

EVENTO INTERNACIONAL ASAP

KAISER PERMANENTE: o paciente no centro do cuidado e engajado nos programas de saúde

30 de agosto de 2017

Considerada a maior organização de cuidados gerenciados dos Estados Unidos, a Kaiser Permanente, entidade fundada há setenta e dois anos, foi convidada pela ASAP a apresentar aos seus associados os programas e as estratégias de saúde da instituição. A tecnologia que garanta a integração da rede para acesso aos dados de saúde, a busca pela satisfação do beneficiário com os médicos da cadeia de atendimento, o paciente no centro da atenção de cuidado estão entre alguns dos ensinamentos que a Vice-Presidente da Kaiser Permanente (KP) nos Estados Unidos, Barbara Crawford, compartilhou com os participantes do evento, que aconteceu em meados de agosto, no auditório da Fecomércio do Rio de Janeiro, com apoio da Roche, e participação da Diretora da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Karla Coelho.

Nas palavras de Barbara, oferecer serviços de “alta qualidade para que haja melhora na saúde dos membros, clientes e comunidades” é a missão da Kaiser Permanente. Programas de saúde que envolvam grupos de beneficiários, programas de prevenção a partir de abordagens de riscos de saúde das populações atendidas pela KP comporiam os serviços de alta qualidade, anunciado pela Vice-Presidente.

A Kaiser Permanente é um sistema de gestão integrada de entrega e financiamento composto por três entidades que operam por meio de contratos, que são os planos de saúde e hospitais da Fundação Kaiser, além dos grupos médicos permanentes. Tal sistema de gestão inclui também cobertura pré-paga de seguro saúde e assistência médica, hospitalar e serviços de farmácia para mais de 11,8 milhões de membros em sete Estados dos Estados Unidos, mais de vinte mil médicos, duzentos mil colaboradores, mais de 670 laboratórios e clínicas, além de 39 hospitais. Seu modelo consiste em contratar exclusivamente grupos médicos permanentes, manter o maior sistema eletrônico privado de dados médicos do mundo, que capta todos os aspectos de cuidados de saúde de um beneficiário. Isso inclui envolver o paciente na busca pela melhoria de sua saúde, registros de sinais vitais, internações, visitas por teleatendimento, consumos com farmácia, cuidados de saúde mental, resultados de serviços de imagens e laboratoriais. Esta combinação de elementos resulta, segundo Barbara, na mais alta qualidade de atendimento em comparação com as médias nacionais em todo o território americano. “Os seviços de alta qualidade aliados à transparência de nossa gestão nos proporciona uma vantagem competitiva”.

Segundo Barbara, a transparência, um dos diferenciais da KP, garante benefícios como a demonstração de “melhor organização” com comprovação de dados, motiva a melhora constante dos colaboradores, aumenta a responsabilidade da equipe e o recohecimento do risco, permite a apredizagem e fornece informações para a tomada de decisões. A transparência envolve também os sistemas integrados de informação clínica e o acesso aos registros médicos. Para o corpo clínico, a transparência conduz para a maior atenção aos registros médicos, resultados dos laboratórios e prescrições, enquanto que para os pacientes, o conhecimento do registro médico, as explicações fornecidas pelos laboratórios de exames e os receituários médicos são algumas das vantagens garantidas pela transparência.

Beneficiários treinados para o autocuidado
Educar o paciente para o autocuidado compõe uma das linhas estratégicas de saúde da Kaiser Permanente, para além do hospital. Barbara explica que a organização investiu 23 bilhões de dólares em tecnologia para a integração dos dados na gestão de saúde. A infraestrutura para identificar e apoiar os pacientes para o autocuidado, estimulá-los a adotarem estilos de vida mais saudáveis e gerenciar suas doenças crônicas foi outro item no qual a Kaiser investiu. O programa chamado “My Doctor Online” foi desenvolvido como suporte para as pessoas interessadas em uma vida saudável e pode ser acessado pelo endereço eletrônico kp.org/mydoctor.
Apoiar as mudanças de comportamento dos pacientes tem trazido resultados visíveis, explica Barbara. A KP desenvolveu treinamentos intensivos adaptados a alguns programas para apoiar metas de qualidade e envolvimento geral do paciente e adesão ao Centro de Treinamento e Bem-Estar, Peso saudável, Peso pediátrico, Planejamento de cuidados de vida, Depressão, Plano de Necessidades Especiais (SNP), Prevenção de violência familiar, Cuidados com o câncer, Cessação do tabaco, Aconselhamento de Gravidez para Adolescentes, Detecção de câncer colorrectal e Condições crônicas “A KP estimula seus membros para lidarem com vidas cada vez mais saudáveis”.

ASAP como multiplicadora do conceito de GSP
Há cinco anos, a percepção de que era necessário promover a mudança do insustentável modelo centrado na doença, para um modelo que promovesse a saúde, proporcionou a criação da Aliança para a Saúde Populacional – ASAP. Desde então, a instituição tem motivado as empresas – as financiadoras da saúde suplementar – a conhecerem a Gestão de Saúde Populacional (GSP). “A ASAP se uniu a grandes players da cadeia de saúde para multiplicar o conceito de Gestão de Saúde Populacional”, disse na abertura do evento internacional, a Presidente do Conselho da ASAP e CEO do Grupo Santa Celina, Ana Elisa Siqueira. Segundo ela, o mercado corporativo precisa compreender a importância da GSP, assim como iniciar sua implementação nas empresas. Hoje a ASAP, explicou Ana Elisa, tem contribuído para a sustentabilidade das companhias motivando seus executivos a adotarem a GSP. Ainda segundo ela, uma parceria com a Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), além de outras importantes ações com demais empresas e instituições parceiras, trazem como proposta a divulgação do conceito de GSP e sua posição como ferramenta estratégica para as corporações. “A saúde, apesar de ser a segunda maior despesa com pessoal das empresas, não é entendida como estratégica”, disse a Presidente do Conselho da ASAP. Para reverter esse quadro, a ASAP tem atuado na conscientização sobre a importância da integração do cuidado, dos programas de promoção e prevenção e da tecnologia.
Segundo a Diretora da ANS, Karla Coelho, a GSP é de vital relevância para as organizações. “Se os pacientes não estão integrados a uma rede de cuidados ficarão perdidos dentro do sistema gerando despesas e desperdícios de exames que não se traduzem em qualidade de saúde”, disse Karla. “A ASAP quer mudar o modelo hospitalocêntrico, focado na doença, para o cuidado com a saúde e os que financiam o sistema devem se levantar na busca pela mudança”, ressaltou Ana Elisa.

 

IMG_2595

Karla Coelho, Barbara Crowford e Ana Elisa Siqueira

IMG_2585

Plateia participa do debate