Notícias

Flávio Bitter, Diretor da Bradesco Saúde: “Lideradas pela ASAP, as organizações são capazes de desenvolver ações que promovam mudanças de hábitos em suas populações”

17 de outubro de 2017

Um dos obstáculos para que as organizações compreendam e debatam a relevância da Gestão de Saúde Populacional como estratégica é a inexistência de um setor ou departamento interno para lidar com essa questão, afirma o Diretor da Bradesco Saúde, Flávio Bitter. Observar e estratificar a população para depois definir ações que ofereçam programas de prevenção e promoção à saúde é entender a Gestão de Saúde Populacional como estratégica, assim como fazer uso adequado dos recursos disponíveis para a saúde ou incentivar o beneficiário a adotar práticas que considerem a sua saúde como prioridade. Porém, continua a Diretor da Bradesco Saúde, “as empresas não dispõem de uma área dedicada à gestão da saúde e essa é uma das dificuldades que percebo”.

O custo do benefício saúde – a segunda despesa com pessoal mais elevada depois da folha de pagamentos – é um assunto frequente na pauta das organizações, que têm buscado ações e medidas para controlar os gastos e equacionar os problemas relacionados ao absenteísmo, produtividade e outros indicadores das empresas. “São esses motivos que fazem o mercado ser bastante fragmentado e em diferentes estágios dentro das organizações”.

Segundo Flávio Bitter, a ASAP desempenha uma função relevante no sentido de divulgar e prover conhecimento sobre Gestão da Saúde Populacional, atuando com o objetivo de despertar as empresas para a necessidade da GSP. “Lideradas pela ASAP, as companhias são capazes de desenvolver ações que promovam mudanças de hábitos em suas populações”.

Para as empresas já sensibilizadas a respeito da relevância de se implementar ações de Gestão de Saúde Populacional, o primeiro passo, segundo Bitter, é a realização do screening, o mapeamento do perfil de saúde populacional a partir da avaliação de hábitos e da presença das doenças crônicas mais comuns. Em seguida, definir quais programas e ações de saúde seriam oferecidos para que se obtenha o efeito desejado, como manter os colaboradores já saudáveis, tratar as doenças crônicas com ações adequadas ao perfil da população.

A Bradesco Saúde e sua controlada Mediservice – empresas integrantes do Grupo Bradesco Seguros, conglomerado segurador da Organização Bradesco – atendem cerca de 4 milhões de beneficiários e estão presentes em mais de 1,4 mil municípios do país. Elas contam com ampla rede médica referenciada composta por mais de 107 mil médicos que atendem em consultórios e clínicas, mais de 1,7 mil hospitais e mais de 10,3 mil serviços de diagnósticos e análises laboratoriais. No primeiro semestre de 2017, as duas empresas apresentaram, em conjunto, faturamento superior a R$ 10,9 bilhões, crescimento de 9,25% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em 2016, a Bradesco Saúde totalizou R$ 19,093 bilhões pagos aos médicos, hospitais, clínicas e laboratórios para assegurar a proteção à saúde dos seus segurados. A empresa cobriu cerca de 21 milhões de consultas, 663 mil internações e cerca de 120 milhões de outros procedimentos médico-hospitalares, o que representa uma média de cerca de 388 mil procedimentos realizados diariamente.