ASAP na Mídia

Gestão de saúde melhora competitividade das empresas

7 de maio de 2018

Investir na gestão de saúde dos trabalhadores tem papel estratégico para as corporações. Os resultados vão além da redução de custos com o pagamento dos planos para os colaboradores. As empresas se tornam mais competitivas, com funcionários mais saudáveis e dispostos a buscar soluções. Leia a matéria completa com entrevista do Diretor Financeiro da ASAP, Dr.Paulo Hirai.

Gestão de saúde melhora competitividade das empresas

Investir na gestão de saúde dos trabalhadores tem papel estratégico para as corporações. Os resultados vão além da redução de custos com o pagamento dos planos para os colaboradores. As empresas se tornam mais competitivas, com funcionários mais saudáveis e dispostos a buscar soluções.
Ainda hoje, muitas empresas entendem que a gestão de saúde se limita na oferta de um plano de saúde. Mas muitas já perceberam do valor estratégico desse tema. “O conceito de saúde é hoje visto como um estado de bem-estar abrangente. Para se ter saúde, não basta se evitar ou se tratar de doenças. É necessário se investir continuamente na sua melhoria, cuidando dos aspectos físicos, intelectuais, emocionais etc. Esses cuidados são essenciais, tanto para as pessoas, quanto para as empresas, pois oferecem uma perspectiva de ganha-ganha para ambas”, explica Luiz Edmundo Rosa, diretor de Desenvolvimento de Pessoas da ABRH-Brasil (Associação Brasileira de Recurso Humanos).
Paulo Hirai, diretor financeiro da Asap (Aliança para a Saúde Populacional) lembra que a gestão de saúde ainda é um processo complexo e distante da realidade de RHs de várias companhias. “Contudo, em algumas empresas, sobretudo as grandes, já têm diversos elementos da gestão. Creio que esse processo vai se acelerar nos próximos meses, tendo em vista as iniciativas como a parceria ASAP-ABRH”.
Pesquisa realizada pela ABRH e ASAP apontou que 94% das companhias ofereciam plano de saúde. O estudo alcançou 668 corporações e 3 milhões de beneficiários de planos de saúde. Segundo o diretor de Desenvolvimento de Pessoas da ABRH-Brasil, o levantamento constatou que quem melhor obteve resultados na gestão de custos foram aquelas empresas que investiram também na promoção da saúde.
Para Rosa as empresas precisam de uma estratégica clara para melhorar a gestão da saúde. “É fundamental se conhecer em profundidade o perfil dos beneficiários dos planos de saúde. Há diversos meios para se levantar o perfil da população, dividi-la por grupos de interesse e de risco. Nas grandes empresas, o apoio de ferramentas de big data são essenciais para orientar as estratégias e a gestão”.
O próximo passo é encontrar as melhores soluções gerais e específica. “Nos programas gerais, podemos promover a cultura de responsabilidade das pessoas por cuidar da sua saúde, para que valorizem os hábitos saudáveis e façam o uso adequado do plano de saúde. Nos específicos, podemos aprimorar resultados e minimizar riscos, atuando-se preventivamente em grupos como hipertensos, sedentários, obesos, doenças crônicas etc”, afirma o diretor da ABRH-Brasil.
O diretor financeiro da Asap lembra das dificuldades de mudar estilos de vida, mas os RHs podem ajudar nessa mudança de cultura, oferecendo soluções que ajudem as empresas estimular os colaboradores. “As novas tecnologias estão permitindo tanto a conscientização das pessoas como facilitando o acesso a processos de auto-gestão dos hábitos. Isso vai acelerar mudanças de hábito na alimentação e na atividade física”, aposta Hirai.

Veja na íntegra a reportagem!

Fonte: Informe E-Pharma – 2/5/2018